Adsense elton

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

IEMA é a escola pública do Maranhão que mais aprovou em universidades

Naylana Cristina, aprovada na Universidade Federal do Amazonas
O número de alunos do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA) aprovados em instituições de ensino superior do País é de despertar mesmo a atenção. Entre públicas e particulares, pode chegar a 50 o número de aprovações. A Unidade Plena (UP) de Pindaré-Mirim bateu o recorde no número de aprovações nas instituições públicas. Até agora, 30 estudantes dessa UP conquistaram vaga. De acordo com o reitor do IEMA, Jhonatan Almada, as aprovações são fruto do trabalho realizado com empenho e dedicação pelo Instituto.
Jhonatan Almada explica que o IEMA tem como grande objetivo fazer que os estudantes realizem seus projetos de vida e esse é um dos fatores que contribuíram para o grande número de aprovações, visto que muitos deles optaram por continuar seus estudos em uma universidade. “Entre todas as unidades que inauguramos ao longo desse ciclo de quatro anos, a de Pindaré foi a que obteve o maior número de aprovações, refletindo em primeiro lugar a dedicação de seus estudantes e professores e, segundo, a pertinência do modelo institucional que praticamos no IEMA”.
Dos aprovados da UP Pindaré, 18 conquistaram vaga por meio do Processo Seletivo de Acesso à Educação Superior (PAES) da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), onde cursarão Engenharia de Pesca, Agronomia, Enfermagem, Letras, Engenharia Florestal e Ciências Biológicas. Outros 12 alunos da mesma UP conquistaram vaga por meio do Sistema de Seleção Unificada (SISU). Esse grupo é composto por alunos que cursarão Ciências Agrárias e Agronomia no IFMA de Codó, Ciências Agrárias e Zootecnia no IFMA de São Luís, Zootecnia no IFMA de São Raimundo das Mangabeiras, Construção de Edifícios e Administração no IFMA de Santa Inês, Engenharia de Alimento na Universidade Federal do Amazonas, Ciências da Natureza na Universidade Federal do Pampa – Unipampa, campus Dom Pedro, no Rio Grande do Sul, e Geografia e Letras na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), em São Luís e Bacabal, respectivamente.
Na opinião do professor Carlos Alberto Colares, gestor geral da unidade plena do IEMA de Pindaré, o sucesso das aprovações se deve ao trabalho contínuo e dedicado da equipe escolar, ao “Projeto de Vida” devidamente trabalhado e acompanhado pelos professores e tutores e, consequentemente, ao protagonismo desenvolvido e aprimorado nos estudantes.
“Significa que o trabalho pedagógico acompanhado e monitorado produz resultados esperados. Temos uma diretoria de ensino presente que nos apoia e nos dá total suporte técnico e teórico. Dispomos também de uma equipe pedagógica composta por quatro coordenadores de área que me auxiliam na elaboração das estratégias que direcionam o fazer pedagógico de cada demanda específica. E, por fim, mas não menos importante, dispomos de um quadro de professores unidos em um só propósito: resultado acadêmico de excelência. Diante disso, é possível perceber que o trabalho realizado para que pudéssemos colher esses frutos seguiu uma receita já conhecida: trabalho pautado em metas e monitoramento”, afirma o gestor geral.
A estudante Naylana Cristina de Almeida Sousa, da Unidade Plena de Pindaré, aprovada na Universidade Federal do Amazonas (UFAM), vai cursar Engenharia de Alimento. Naylana fez o curso técnico em Recursos Pesqueiros. Questionada sobre a importância do IEMA em sua caminhada acadêmica, a universitária conta que a escola desempenhou papel fundamental em sua vida.
“O IEMA foi extremamente importante. Aprender com profissionais de qualidade, em uma escola de qualidade é um impulsionador de sonhos e realização também”, disse ao afirmar que os ex-alunos do IEMA estão colhendo o que plantaram juntos.
Mikaelly Cunha Lima é outra aluna do IEMA que foi aprovada em uma universidade fora do Maranhão. Mikaelly, que também fez o curso técnico em Recursos Pesqueiros, pontuou e pode escolher estudar na Universidade Federal do Pampa (Unipampa), campus Dom Pedrito, no Rio Grande do Sul, onde deveria cursar Ciências da Natureza. A estudante preferiu estudar um pouco mais e desistiu da Unipampa.
“Vou ficar um pouco mais aqui, prefiro estudar mais para passar em Medicina”, conta a ex-aluna do IEMA que vai estudar na Uema, campus Santa Inês.
Outro grande motivo de orgulho para o IEMA de Pindaré é a aprovação de Bianca Souza, a primeira aluna surda do Instituto a ser aprovada para licenciatura em Matemática no Instituto Federal do Maranhão (IFMA), campus Zé Doca.
“Aqui no IEMA tudo é especial, a começar pelo acolhimento. Jovens protagonistas, a equipe de intérpretes e de professores me receberam. A escola se preocupa muito com o aprendizado do aluno e esse acompanhamento faz toda a diferença. Agradeço ao IEMA e toda a sua equipe”, afirma Bianca.
Alunos da unidade plena do IEMA de São Luís também pontuaram e estão na universidade. Até agora, 19 estão garantidos na Universidade Estadual do Maranhão. Dentre os cursos escolhidos: Engenharia de Produção, Geografia, Ciências Biológicas, Ciências Sociais, Engenharia de Pesca e Agronomia, todos em São Luís. Enfermagem e Letras em Santa Inês; Engenharia Florestal em Imperatriz; e Ciências Biológicas no campus Zé Doca.
Estudantes da unidade plena do IEMA de Bacabeira também obtiveram bons resultados e estão na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), onde cursarão Engenharia da Produção, Geografia e Matemática.
Com a pontuação que obteve na redação, a estudante Jhovana Teixeira Reis, da UP Bacabeira, do curso técnico em Logística, conquistou vaga na Faculdade do Maranhão (Facam) para cursar Enfermagem, e no IFMA, para cursar Química. “Prefiro a graduação numa instituição pública (química no IFMA), além de que, no meu projeto de vida, química estava na frente da enfermagem em ordem de importância”, explica.
Jhovana Teixeira diz que o Instituto fez dela uma cidadã mais consciente dos seus direitos e deveres, e assim ela entendeu que é preciso não só acreditar num mundo melhor, mas que é preciso criá-lo.
“Durante os três anos que passei no IEMA, acredito que a principal lição que eu aprendi foi que é preciso sonhar sempre para estabelecer metas e poder ter pelo que lutar. Lá entendi que precisava organizar meu projeto de vida e foi assim que consegui estabelecer o curso que eu queria, além de quê, por isso senti a vontade de ensinar isso a outras pessoas. Os acolhimentos me proporcionaram isso”, conclui Jhovana.
Para o diretor de Ensino do IEMA, professore Elinaldo Silva, o número de aprovações demonstra todo o trabalho em equipe – reitoria, diretorias e equipes escolares – do Instituto feito na vida dos estudantes, desenvolvendo competências e habilidades para que possam realizar seus projetos de vida.
O diretor enfatiza que o IEMA trabalha de tal forma que os alunos se tornam autônomos e capazes de tomar decisões na vida. Silva explica que o Instituto não prepara especificamente para o Enem, mas para três possibilidades: continuar estudando (aprovação em instituição de nível superior), ser empreendedor e entrar no mercado de trabalho. Elinaldo esclarece que isso é feito por meio de uma disciplina chamada pós-médio.
“O resultado demostra para a sociedade que uma escola pública pode ser de excelência, pode proporcionar bons resultados na vida dos estudantes. Ela só precisa ser encarada com seriedade”, diz o diretor ao indicar que o número de aprovados pode crescer. “Ainda estamos fazendo a tabulação, faculdades e universidades divulgarão novos resultados, então com certeza esse número de aprovados vai aumentar”, observa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário